Mochilão na Europa – Parte II

Hoje continuamos a nossa viagem. Recapitulando o último post, chegamos no dia 09/03/2011 em Roma – por volta de 12:20 da tarde – e fomos descobrir onde era o nosso hostel. Ficamos hospedamos no Hostel Peter Pan, bastante longe –- final da linha 2 do metrô – e o lugar não era muito agradável, para vocês terem uma ideia, a Dany teve medo de ir ao banheiro durante a noite, esperou até o dia seguinte porque o hostel era a “treva” rs, não recomendamos.

Primeiro dia na cidade, fomos conhecer a Fontana di Trevi, que é a maior construção de fontes barrocas da Itália, o Monumento Nazionale a Vittorio Emanuele II – foto da capa desse post- que é lindíssimo! Para mim, é o monumento mais bonito de Roma, conhecemos ainda o Arco de Constantino, que é um arco triunfal em Roma e o Vaticano, achamos tudo muito lindo.

Fontana di Trevi
Fontana di Trevi
No segundo dia havíamos programado ir ao Coliseu, mas quando saímos de manhã do hostel, os transportes públicos haviam entrado de greve, então tivemos que pegar um táxi e pagar uma fortuna –  porque eles estavam explorando, com preços absurdos. Chegamos ao Coliseu, tarde pra caramba e a fila estava gigantesca, acabamos desistindo de entrar e fomos bater perna pelas ruínas de Roma, fomos ao Parthenon e também na Praça Navona. Isso nos dias 10 e 11/03/2011. No dia 12/03 pegamos o ônibus turístico Hop-On Hop-Off: www.getyourguide.pt/roma-l33/bilhete-p-onibus-turistico-roma-cristiana

Parthenon
Parthenon
Dia 13/03 voltamos para Milão, e ficamos novamente na casa da nossa comadre, dormimos uma noite lá e no dia 15/03 embarcamos de Milão para Atenas.

Chegamos em Atenas às 14:05 do mesmo dia e fomos para um hostel, até ajeitadinho – não lembro o nome infelizmente – a crise econômica estava explodindo no país nessa época, os gregos estavam protestando nas ruas, a cidade estava uma confusão!

Fomos para o hostel e a recepcionista falava um inglês muito esquisito, uma voz sensual, rouca – a Dany ri só de lembrar rs – ficamos só duas noites em Atenas por causa da questão dos voos (comentamos sobre isso no post anterior), então fizemos os passeios tradicionais: Acrópole, Ruínas e sem dúvidas, o mais visitado dos monumentos: Estádio Panatenáico. Ele foi construído em 566 a.C. e reconstruído em 329 a.C. Mais informações em: www.panathenaicstadium.gr.

Acropole
Acrópole
A Acrópole foi um dos lugares mais incríveis que já fui na minha vida, com relação a história – andamos muito para chegar lá, achamos até que o caminho estava errado – o lugar é incrível! Lá em cima você vê crianças estudando, sentadas aprendendo, é realmente muito maneiro. Tem uma parte da Acrópole, foi até engraçado por que em seguida fomos para Londres e vimos no British Museum, itens que foram roubados pelos ingleses, é sinistro.

Compramos um ingresso que tinha todas as atrações do centro, dava para fazer a pé todas as atrações, foi um roteiro bem legal e econômico, valiam por dois dias esses ingressos. No outro dia terminamos os passeios e não tinha muito mais o que fazer. Um fato engraçado e curioso que a Dany lembrou, é que esse foi o local que mais vimos cachorro de rua, os cachorros eram grandes, muitos mesmo, largados nas ruas de Atenas.

Na nossa última noite, pegaríamos um voo pra Londres, dia 17/03 às 2:45 da manhã, íamos acordar cedo para pegar dois ônibus, que era a opção barata para chegar até o aeroporto, então precisávamos dormir. Já no hostel, durante a madrugada, chegaram alguns hospedes bêbados e começaram a conversar alto, eu fui no banheiro e pedi com educação para eles conversarem mais baixo por causa do horário e nada, passaram uns 5 minutos eu voltei e pedi novamente e nada, ainda pedi uma terceira vez para que eles diminuíssem o tom, mas eles estavam bêbados e ignoraram os pedidos, como comentei nos posts anteriores, essa é uma das partes ruins de se hospedar em hostel, você tem que contar com a boa vontade e educação dos outros, nem sempre eles tem.

Ainda em Atenas, a Dany lembrou uma história muito boa! Fomos ao mercado comprar água – e era um mercado tipo Makro, que vende apenas no atacado – então tinham vários packs de água e como queríamos apenas uma, fui abrir o pacote para pegar a unidade, logo veio um funcionário grego – falando grego – tentando me explicar que só vendia o pack completo e virei para a Dany e atestei: esse cara está literalmente falando grego e eu não estou entendendo nada. Vivi na pele o significado do ditado “falando grego”.

Uma curiosidade sobre o hostel da Grécia, foi o único banheiro do mundo que fomos que precisava colocar moeda para usar água quente, a moeda destravava água, achamos interessante.

Tower Bridge - Londres
Tower Bridge
Seguimos nossa viagem para Londres, mas aqui tem dica de economia que utilizamos como mochileiros: nós cozinhávamos praticamente todas as nossas refeições nas cozinhas dos hostels em que nos hospedamos – comíamos macarrão e bife quase todos os dias – dessa forma economizávamos muito, mas em alguns momentos não aguentávamos mais. Imaginem, estávamos completando quase 20 dias de viagem quando chegamos a Londres, fomos para um bairro perto do Arsenal Club, passando por um bairro indiano, vimos um frango assado, tipo aqueles de padaria e compramos, para comer alguma coisa diferente. Eu adorei o frango, estava super faminto, mas a Dany passou muito mal a noite toda, não sei se foi o molho ou tempero, mas o frango não caiu muito bem para ela, então fiquem com outra dica, não esqueça de colocar na mala alguns remédios básicos que possam ser úteis, nesses casos.

Big Ben
Big Ben
Sobre o hostel – ficava dentro de um Pub – esse foi único na nossa vida, que nos quartos ao invés de beliches, eram triliches, nunca tínhamos visto isso na vida, três camas ao invés do habitual que seriam duas, o que foi um pouco incômodo, explico o porquê: no dia seguinte passamos por uma saia justa, pois o casal que ficou logo abaixo da minha cama, no meio da noite começaram “a se pegar” e o barulho de mola do triliche, não foi muito agradável de ouvir, coisas que podem acontecer em hostel.

Museu de história natural
Museu de História Natural
Outra coisa incômoda nesse hostel, era que trocavam nossas camas todos os dias, chegávamos e tinham trocado as roupas de cama e as mochilas de lugar, isso era um transtorno. Descia para falar com o recepcionista e fazer reclamações e ele sempre nos respondia em inglês, no último dia hospedados lá, conversando com a menina que limpava o nosso quarto, ela nos perguntou porque não falávamos português com o rapaz da recepção, e nos contou que ele era português. Indignado, desci até a recepção e chamei o gerente para reclamar, comentei que havia tido alguns problemas durante nossa estadia e tentei me fazer entender no inglês, o cara falando português e sabendo que éramos brasileiros, nem para ter a empatia de nos avisar, usando a justificativa de que muitos brasileiros querem treinar o inglês.

O gerente vendo a situação, nos ofereceu um jantar no hostel, então tirando o inconveniente de trocarem todos os dias nossa cama e a parte de ser um triliche, foi tudo tranquilo nessa hospedagem.

Dany falando: E essa foi a viagem em que quase nos divorciamos, porque perdemos um passe de metrô em Londres, o Daniel ficou muito estressado!

Quase nos divorciamos porque tínhamos pouco dinheiro, estava tudo contado para as próximas semanas e perdemos um passe!

Em Londres você compra um passe para usar transporte público, o Cartão Oyster é recarregável e se você perder o cartão, perde o valor recarregado e o dinheiro do cartão que custava duas libras (atualmente custa cinco libras), e a gente na ”pindaíba”, segurando as pontas nas despesas e perdemos o passe, não sabemos até hoje qual dos dois perdeu – Dany diz: eu acho que foi o Daniel por que só ele segurava esse cartão, não tinha como ter sido eu – diz ela né? rs, enfim, tivemos que comprar outro, como ela já tinha passado e eu precisava comprar outro passe, falei para ela ir para a estação do hostel e me esperar lá, naquela época sem celular, sem mapa, se ela se perdesse estaríamos enrolados, mas deu tudo certo, acabei comprando outro cartão e nos encontramos. Perrengues de viagem, fazem parte.

Londres estava bem caótica porque foi um ano antes das Olímpiadas de 2012, então a cidade estava completamente em obras, não curtimos tanto a nossa primeira experiência na terra do Big Bang.

Museu Londres
Londres e os museus de graça. Neste você coloca as roupas de época para tirar foto 🙂
Ficamos cinco noites em Londres. Uma dica de turismo é: visite os museus, pois a maioria dos bons museus são gratuitos, você dá uma contribuição se quiser.

Finalizamos nossa passagem por Londres e ainda tem muita história para contar, continuem acompanhando nossas aventuras e na próxima semana nos encontramos em algum lugar do mundo, qual será o próximo destino?

Um comentário sobre “Mochilão na Europa – Parte II

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s